“Todos os povos civilizados investigam as suas origens e amam a sua história.
Há uma força instintiva que atrai o homem à terra natal, seja ela uma simples aldeia perdida nos vales profundos,
nas serras majestosas e altaneiras, ou nas grandes cidades embaladas pelas ondas do mar,
onde os requintes do conforto seduzem os ricos e poderosos do mundo”.          Artur Monteiro do Couto






AGENDA


3 a 31 Outubro 2011
na sede da CTMAD>br> Exposição de fotografia
NO SENTIDO DO OLHAR

organizado em colaboração
com a Univ. Lusíada


5 Novembro 2011
Colégio dos Salesianos
(Oficinas de S. José)
Praça D. Bosco, 32 Lisboa
MAGUSTO DA CTMAD




Na NET
acompanhe a CTMAD no
FACEBOOK

Compareça ! Participe !




Visite Trás-os-Montes
e Alto Douro

Um mundo de emoções!






Régua

COMER & DORMIR
Restaurantes trasmontanos

Pinhão


<< September 2017 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02
03 04 05 06 07 08 09
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30

DOURO



Sitios da Casa de Tras-os-Montes e Alto Douro

Casa de Tras-os-Montes e Alto Douro
CTMAD Cultura
Notícias de TMAD
Fotos CTMAD (Sapo)
Vídeos NTMAD (You Tube)
blog da Casa TMAD
Grupo Publico da CTMAD
Grupo dos socios da CTMAD






Trasmontanos

Alea jacta est
Beleza Serrana
Deste meu Marão
Graça Morais
José Augusto
O Instante e o Absoluto
Virgílio Gomes





As nossas Festas


Eventos e Estudos

III Congresso de TMAD
Nova Sede da CTMAD - a primeira pedra em Belém
Estudo Sobre o Crescimento e a Crise da Região
O associativismo regionalista transmontano
Festival de Gastronomia TMAD do Porto
Região Demarcada do Douro
Viagem pelo Rio Sabor (I) - À procura da nascente
Da nascente à foz - Viagem pelo Rio Sabor
Projecto Arqueológico da Região de Moncorvo
Centro de Estudos Antonio Maria Mourinho
Lhengua Mirandesa
Sítio de I Mirandés
DICIONARIO de Mirandês online
Mirandés Net
Froles Mirandesas
Al ciêntificu eilustradu
Al Balhe de la Baglina
VOCABULÁRIO Trasmontano
Retratos e Transfigurações
Genealogia (DGARQ)
Portuguese Genealogy (Candido)
Portuguese Genealogy (Holmes)
Cemiterio Judeu
Sephardim.com
Os Judeus em Trás-os-Montes
Cão de Gado Transmontano
Arquivo Distrital de Bragança"
Arquivo Distrital de Vila Real
Catálogo geral de livros (UTAD)
Projecto Gutenberg
Domínio Público Brasileiro


Media Regionais

Região Transmontana TV online
TV de Barroso
Mirandela TV
Vila Real TV
Douro TV

Radios online

A Voz de Trás-os-Montes
A Voz do Nordeste
Diario de Tras-os-Montes
Douro Hoje
Folha D'Ouro
Jornal Nordeste
jornal o povo de barroso
Mensageiro Notícias
Notícias de Chaves
Noticias do Douro
Noticias do Nordeste
Noticias de Vila Real
O Cardo
Ribeira de Pena online
Semanário Transmontano
Terra Quente


Portais Trasmontanos

BCD
Douronet
Espigueiro
Nordeste Digital
Trás-os-Montes
Zona Mais


Câmaras Municipais

Distrito de Bragança
Distrito de Vila Real
Distrito da Guarda
Distrito de Viseu


Regiões de Turismo

Alto Tâmega e Barroso
Douro Sul
Nordeste Transmontano
Serra do Marão


Roteiros Turísticos

À Descoberta
Terra Fria
À Procura do Nordeste Transmontano
Ares da Minha Terra
Distrito de Bragança
Distrito de Vila Real
Barroso
Boticas
Margem Esquerda do Douro
Vista para o Douro
Aldeias Vinhateiras (Douro)
As terras do Távora
Aldeias de Riba Côa
Parque do Douro Internacional
A boa vida de Marialva
Magia do engenho humano
Margem Direita do Douro
Quinta da Erva Moira
Sabor a Douro
Douro Sul
Rio Tua
Rota da Castanha
Roteiros do Douro
Rota dos Túneis
Roteiro Vale do Côa e Alto-Douro
O Douro...nos caminhos da literatura
Ansiães Aventura

Arribas do Douro


Paisagem e Patrimonio

Arte Sacra na Diocese de Bragança
Barroso
Cerâmica Artesanal no distrito de Bragança
Gado Asinino
Vale do Côa e Além Douro
Linha do Corgo
Linha do Douro
Linha do Sabor
Linha do Tua
Linha é Tua
Museu do Ferro
Património Arquitectónico Distrito de Bragança

Bragança



A Nossa Terra

Abrecovo
Adeganha
Aguas Frias
Aguas Vivas
Aguieiras
Alfandega da Fe
Algoso
Alijó
Arcas
Argemil da Raia
Argozelo
Argozelo II
Aveleda
Azibo
Barcos
Belver
Bemposta
Benlhevai
Bragado
Bruçô
Brunhoso
Cabril
Caçarelhos
Caçarelhos II
Cachão
Caldas de Aregos
Cambeses do Rio
Campeã
Campelos
Campo de Víboras
Cancelas
Candedo
Canedo
Carção
Carrazeda de Ansiães
Carviçais
Carviçais (forum)
Castedo (forum)
Castedo do Douro
Castelãos
Castelões
Castelo Branco
Celeirós do Douro
Chacim
Chaves
Chaves antiga
Coelhoso
Corujas
Dues Eigrejas
Eiras
Ervedosa
Especiosa
Fafião
Faiões
Favaios
Felgar
Felgueiras
Ferral
Fervidelas
Fiães do Rio
Fiolhoso
Fonte de Aldeia
Fontelonga
Frechas
Freixiel
Freixiel (freguesia)
Freixo de Espada-à-Cinta
Genísio
Gimonde
Gralhas
Grijó de Parada
Junqueira
Lagoaça
Lamalonga
Lamas de Podence
Lamego
Larinho
Larinho (blog)
Lavradas
Linharelhos
Loivos (Chaves)
Longroiva
Maçores
Marialva
Mazouco
Mesão Frio
Meixedo
Miranda do Douro
Miranda do Douro (Voilà)
Mirandela
Mogadouro
Mogos
Moimenta
Moncorvo
Montalegre
Montalegre (blog)
Morais
Mós (vila antiga)
Mós (Moncorvo)
Mós do Douro
Murça
Ormeche
Ousilhão
Outeiro
Outeiro Seco
Padroso
Palaçoulo
Parada de Monteiros
Paradela
Paradela de Ansiães
Paradela de Monforte
Parambos
Parâmio
Paus
Peirezes
Pensalvos
Peredo dos Castelhanos
Picote
Pinhão
Pitões das Júnias
Pitões das Júnias (freguesia)
Pombal de Ansiães
Porrais
Prado Gatão
Provesende
Queimada
Rebordaínhos
Rebordaínhos (ASCRR)
Rebordelo
Ribeira de Pena
Rio de Onor
Salselas
Salzedas
Sanfins do Douro
Santa Valha
Santalha
Santo Aleixo de Além-Tâmega
Santulhão
S. Joanico
S. João da Pesqueira
S. Mamede de Ribatua
S. Martinho de Angueira
S. Pedro dos Serracenos
S. Vicente da Raia
Segirei
Sendim
Serapicos (Vimioso)
Sernancelhe
Tabuaço
Tabuadelo
Tarouca
Torgueda
Torre de D. Chama
Tourencinho
Travancas
Trevões
Tua
Ucanha
Urrós (Mogadouro)
Uva
Valdigem
Vale de Anta
Vale de Figueira
Vale de Frades
Vale da Porca
Valença do Douro
Valpaços
Valpaços (Notícias=
Vidago
Vieiro
Vila Flor
Vila Real
Vila Verde da Raia
Vilar de Izeu
Vilar de Perdizes
Vilarinho de Agrochão
Vimioso
Vinhais
Vinhós
Zêdes
Zenízio




Sanfins do Douro


Arte Trasmontana

Associação Amigos das Artes de TMAD
Antonio Afonso (Toninho)
Carlos Botelho
Balbina Mendes
António Pizarro
Eurico Borges
Graca Morais
José Augusto
Nadir Afonso
Rui Rodrigues
Peripécia Teatro
TEB
Teatro de Vila Real
Urze Teatro


Musica Trasmontana

Banda de Música de Mogadouro
Banda de Música de Sanguinhedo
Banda de Música de Vilarandelo
Caramonico
Caretos de Podence
Concertinas de Lamego
Federação Transmontano Duriense de Bandas Filarmónicas
Galandum Galundaina
Guitarras de Portugal
Lenga Lenga
Mar de Pedra
Pica Tumilho
Grupos de Pauliteiros de Miranda
Pauliteiras de Valcerto
Pauliteiros de Miranda do Douro
Pauliteiros de Miranda (Lisboa)
Rancho Folclórico Flor d!Aurora
Rancho Folclórico da Casa do Povo de Godim
Rancho Folclórico de Guiães
Rancho Folclórico de S. Tiago (Mirandela)
Rancho Folclórico de Vila Real
Rancho Folclórico de Vimioso
Zés Pereiras de Castedo do Douro


Cantores Trasmontanos

Adelia
Emanuel
Roberto Leal



contador


If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed



2011.10.17
QUANTO CUSTA A BARRAGEM DE FOZ TUA

Porque é que a construção da barragem de Foz Tua deve interessar a um lisboeta ou um algarvio? Porque esta, mais as outras barragens e os parques eólicos vão levar Portugal a ter a eletricidade mais cara do mundo em poucos anos. Uma plataforma de ONGA fez as contas e o Plano Nacional de Barragens vai custar ao Estado 16 mil milhões de euros, entre juros bancários, subsídios e pagamento de obras. Também são números, os de um crescimento insustentável, que justificam a destruição da Linha do Tua.


Posted at 16:22 by ntmad
Comment (1)  

2011.09.16
NO PRÓXIMO DIA 23 A CTMAD FAZ 106 ANOS

A Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro faz, no próximo dia 23 de Setembro, a bonita idade de 106º anos! A comemoração realizár-se-a neste mesmo dia (sexta-feira), e o programa é o seguinte:

15h - Inauguração da exposição da Pintora Graça Morais "Tempo de Cerejas e Papoilas. Trás-os-Montes 2011" na Galeria Ratton (Rua Academia das Ciências 2ºC)
 
17h - Missa na Igreja Conventual das Franciscanas Missionárias de Maria (Rua Chaby Pinheiro, nº 12 - ao Campo Pequeno)
 
18h14 - Sessão solene: homenagem à pintora Graça Morais com a intervenção do Prof. Adriano Moreira. Durante a sessão, serão ainda homenageados os sócios com 50 e 25 anos de aassociados da Casa. Esta sessão decorrerá na CTMAD.
 
20h30 - Jantar de aniversário e confraternização na Ordem dos Engenheiros (Av. António Augusto de Aguiar, nº 3 D - junto ao Hotel Eduardo VII). Preço 25,00€. Data Limite para inscrições: 16 de Setembro de 2011 (obrigatóriamente acompanhadas pelo pagamento sem o qual não serão consideradas)
 
Para qualquer informação contactar a Sede da CTMAD pelo nº 217939311 ou pelo e-mail ctmad.lisboa@gmail.com.
 
Contamos consigo!


Posted at 07:07 by ntmad
Make a comment  

2011.06.13
FESTA DA CEREJA EM ALFÂNDEGA DA FÉ

Este fim de semana foi a Festa da Cereja de Alfândegada Fé, com cereja a 2 euros o quilo.


Posted at 07:20 by ntmad
Make a comment  

2011.05.29
RESENDE CAPITAL DA CEREJA

Este fim de semana decorre em Resende o Festival da Cereja.

Posted at 16:28 by ntmad
Comment (1)  

2011.05.22
FESTIVAL DA CEREJA EM RESENDE


Posted at 06:25 by ntmad
Make a comment  

2011.04.21
Feira do Folar de Valpaços 2011

Excerto do programa Terra a Terra, da TSF, emitido a 16 de abril 2011, a partir da Feira do Folar de Valpaços, com divulgação do Acto (Auto da Paixão) de Vilarandelo.


Posted at 18:47 by ntmad
Make a comment  

2011.03.09
CARNAVAL TRASMONTANO

Caretos e tropelias são tradição no carnaval trasmontano.

Posted at 18:10 by ntmad
Make a comment  

2011.02.18
Vai ser construida a barragem de Foz Tua

Com protestos dos ambientalistas que reclamam pelo facto de 16 quilómetros de linha ficarem submersos, a EDP vai iniciar a empreitada de construção da barragem de Foz Tua, adjudicada ao agrupamento de empresas Mota-Engil/Somague/MSF.

A empreitada envolve um investimento de 305 milhões de euros, contribuindo para a criação de 4.000 postos de trabalho, 1.000 dos quais directos, ao longo dos próximos cinco anos. Foz Tua começará a produzir energia em 2015.

A construção situa-se no troço inferior do rio Tua, próximo da foz próximo do rio Douro, afectando os concelhos de Murça e Alijó, (distrito de Vila Rea), e os concelhos de Mirandela, Vila Flor e Carrazeda de Ansiães, (distrito de Bragança).

A central hidroeléctrica terá uma potência instalada de 251 megawatts (MW). O empreendimento vai acabar com a linha do Tua, entre a barragem e a estação de Brunheda.


Posted at 19:22 by ntmad
Make a comment  

2011.02.04
PARE, ESCUTE, OLHE

Pela Linha do Tua. O trailer do documentário de Jorge Pelicano.

Posted at 17:14 by ntmad
Make a comment  

2010.12.03
VALE DO TUA - Universo virginal de um Reino Maravilhoso

De acordo com o Anúncio nº10853/2010, publicado no Diário da República 2ª série do dia 11 de Novembro, o processo de classificação da linha do Tua como património de interesse nacional foi arquivado, com base num parecer da Secção do Património Arquitectónico e Arqueológico do Conselho Nacional de Cultura. Desconhece-se a fundamentação do parecer. Presume-se, no entanto, que os senhores conselheiros nunca visitaram a região, pois se a tivessem visitado, enxergariam que este “excesso de natureza”* além de ser do interesse nacional, satisfaz em simultâneos vários dos critérios necessários para a classificação como património da humanidade, e não seria de esperar outra coisa, visto que a linha do Tua desagua na linha do Douro, a escassas centenas de metros do local onde se prevê construir a barragem do Tua, numa área, classificada há mais de 10 anos pela UNESCO, justamente, como Património da Humanidade.
Douro e Tua irmanam-se numa mesma realidade desmesurada, na solenidade da paisagem, num “nunca acabar de terra grossa, fragosa, bravia, que tanto se levanta a pino num ímpeto de subir a céu, como se afunda nuns abismos de angústia, não se sabe por que telúrica contrição”, nos costumes, nas crenças, no clima, na rudeza e integridade das gentes. O homem que desbravou os socalcos do Douro é o mesmo que, calço a calço, susteve nesgas de terra, onde estacas de oliveira medram e alumiam a sua árdua existência, cavou os cantos onde laranjeiras perfumam a primavera, construiu uma geia donde brota o néctar que aqui também é vinho fino; é o mesmo que, corajosamente, palmo a palmo, metro a metro rasgou precipícios, transpôs abismos e furou penedos para construir os túneis e assentar os carris que o haviam de ligar ao progresso; é o mesmo que, destemidamente, lavrou um sulco ondulante num despenhadeiro de pedras e laijões, discreta e genuína obra de engenharia, perfeitamente integrada naquele “universo virginal”, naquela “paisagem robusta solene e profunda”, obra conjunta do homem e da natureza, que Miguel Torga sublimemente pintou. Aqui, porém, o degredo é ainda mais espinhoso que no Douro: os murtórios são fragas a pique onde nem as cabras se equilibram, o xisto é granito rude e duro e o rio, selvagem, ainda “corre magoado de cachão em cachão” num zoar permanente que, no Inverno é medonho, mesmo para os mais afoitos.
O vale do Tua, lugar em que homem e natureza se confundem, desde tempos ancestrais, é manifestamente um sítio de beleza natural e estética de excepcional importância, em que a forma genial e harmoniosa como a linha férrea foi integrada na paisagem ilustra a significativa importância que, embora tardiamente, a máquina a vapor e o comboio tiveram na história social e económica de Tras-os-Montes, na metade inicial do século XX. É um sítio em que as pedras evocam memórias longínquas, ainda intactas, de rituais pré-históricos, de povoados visigóticos, mouras encantadas, romanos diligentes e cristãos destemidos.
Por estas e por outras razões, os senhores conselheiros deveriam conhecer ou pelo menos, indagar no local aquilo que importaria conhecer para, serena e sabiamente emitirem o seu douto parecer. Se se tivessem dado ao deleite de visitar este vale e as suas gentes, seguramente, aconchegariam o corpo e a alma e enriqueceriam o ego de sabedorias ancestrais, que é coisa que os senhores conselheiros muito prezam. Mas ainda o podem fazer, depressa, antes que a barragem lhes troque as voltas e lhes aniquile este “universo virginal”. Batam à porta deste “reino maravilhoso” em S. Mamede de Ribatua, saboreiem um naco de bola de carne, acompanhada com as suas afamadas laranjas – de manhã são ouro – visitem o pelourinho e saiam pela ponte romana, contemplem a imponência da paisagem na Penadaia, em que rio, linha e fragas são, ao mesmo tempo, inferno purgatório e paraíso, visitem o caixão dos mouros, os castelos de Safres e dos Barcos, na ténue linha que separava a fronteira entre cristãos e mouros, desçam ao Amieiro, um presépio de casas, oliveiras, laranjeiras e sobreirais, comam e um doce de figos em Carlão, onde nas fragas estão impressos lagares do tempo dos romanos. Depois, atravessem o rio, deliciem-se com um copo de vinho fino, nas margens bucólicas de Brunheda, regenerem o corpo com um banho nas termas de S. Lourenço, deleitem-se com uma alheira estaladiça no Pombal, que é lugar de vinho de primeira e desçam a linha até ao Tua. Apreciem as obras de arte da engenharia oitocentista – viadutos, túneis e muros, suspensos no abismo das fragas más e, mesmo que não tenham a sorte de poderem admirar uma lontra, mirem as nasseiras, onde, antes das barragens do Douro, se apanhavam lampreias, imaginem o gemido das mós, nos moinhos abandonados, inebriem-se com o perfume de carquejas, bela luzes, alecrins e rosmanos que, “como manjericos à janela”, prodigiosamente, brotam de fragas, aparentemente estéreis, e contemplem a majestade dos sobreiros centenários, que, nesta fortaleza de pedras, guardam a linha e o rio. Se tiverem tempo relancem os olhos pelas encostas e, encarrapitados nos abismos descubram antigos armazéns de vinho, abandonados, ainda com lagariça, peso e restos da rabadeira onde encastrava a trave da prensa. Chegados ao Tua, como recompensa, um pratinho de peixes do rio, com pão de Favaios e vinho da Ameda e, claro, mais um cálice de vinho fino, daquele que no estrangeiro apelidam de vinho do Porto, mas que tem berço neste “reino maravilhoso”, prosa de Miguel Torga, de leitura recomendada aos senhores conselheiros.
Por fim, passem pelos adros das igrejas, no fim da missa, e falem, mas, sobretudo, ouçam, ouçam as gentes da terra e então verão que ainda há reinos maravilhosos que merecem ser estudados, conhecidos, acarinhado e preservados: “O que é preciso, para os ver é que os olhos não percam a virgindade original diante da realidade, e o coração depois não hesite.”
Depois, sim, elaborem o vosso douto parecer.
Texto: João Zimbreiro, com a ajuda de Miguel Torga

____________________
*Alexandre Herculano


Posted at 09:33 by ntmad
Make a comment  

Next Page